Blog
23. jun de 2022
BlogHelp,DICAS HELP,Saúde

Alimentação do idoso: 8 dicas que vão ajudar a manter a saúde

A alimentação do idoso deve conter os nutrientes corretos para dar mais qualidade de vida e prevenir o surgimento de doenças. Confira dicas valiosas!

 

Em cada fase da vida, nosso organismo precisa de nutrientes específicos para se desenvolver bem. Com o passar dos anos, o metabolismo vai ficando cada vez mais lento e há uma redução na absorção dos nutrientes essenciais. Desse modo, a alimentação do idoso requer alguns cuidados para garantir mais qualidade de vida e evitar doenças tão comuns da idade.

Antes de mais nada, é importante conhecer bem as condições de saúde e observar se há algum problema que possa influenciar na alimentação, como alergias alimentares, diabetes, hipertensão, entre outros. Por isso, deve-se sempre estar com os exames em dia.

Quer saber quais são os outros cuidados? Então, anote as dicas que listamos ao longo do post!

 

1. Priorize alimentos naturais

Os alimentos naturais são muito mais nutritivos, pois preservam melhor as fibras, vitaminas e minerais necessários ao organismo. Isso porque eles não perdem suas propriedades durante sua produção ou processamento. Além disso, são muito mais saborosos, pois conservam o gosto natural dos alimentos.

Então, os produtos industrializados, além de quase não terem nutrientes, muitas vezes contêm aditivos que são prejudiciais à saúde, como corantes, conservantes, estabilizantes, sódio em excesso, etc. Assim, priorize sempre os naturais, como vegetais frescos e, preferencialmente, orgânicos.

Evite os industrializados, ultraprocessados e congelados, como sopas instantâneas, temperos prontos, biscoitos recheados, salgadinhos e fast-food. Uma ótima dica é ficar de olho nas embalagens dos alimentos e fugir daqueles com quantidades elevadas de açúcar refinado, gordura, sódio e farinha branca.

 

2. Consuma mais fibras

É bastante comum que os idosos tenham prisão de ventre. Por isso, alimentos ricos em fibra devem ser incluídos nas refeições. Conheça, a seguir, os dois tipos de fibras.

 

Solúveis 

Formam uma espécie de gel depois de consumidas. Dessa maneira, ajudam na saciedade e na eliminação do excesso de gordura no sangue, sendo uma forte aliada no controle da diabetes. São fontes muito boas desse tipo de fibra: aveia, linhaça, quinoa, feijão, ervilha, lentilha, grão-de-bico, etc.

 

Insolúveis

Ajudam o intestino a funcionar melhor, pois retêm mais água. Então, inclua os seguintes alimentos na dieta: amêndoa com casca, nozes, azeitona verde, amendoim, uva passa, abacate, morango, banana, tangerina, laranja e outras frutas com casca, por exemplo, maçã, pêssego e pêra.

Aliás, uma ótima dica para consumir mais fibras é fazer combinações de cereais com iogurte natural e frutas.

 

3. Atente-se para alimentos ricos em ômega 3

O ômega 3 presente em peixes como salmão, sardinha e atum, tem papel fundamental na saúde dos idosos. Afinal, essa substância estimula a comunicação entre as células cerebrais. Assim, ajuda a prevenir doenças que afetam as funções do cérebro, como depressão, Parkinson, Alzheimer, entre outras. Além disso, auxilia na redução dos níveis elevados de triglicerídeos, promovendo a saúde cardiovascular.

Logo, a alimentação do idoso deve ter algum tipo de peixe ao menos uma vez na semana. Porém, quem tem prótese cardíaca ou problemas de coagulação, como hemofilia, deve consultar um nutrólogo ou nutricionista, pois o ômega 3 torna o sangue mais fluido.

 

4. Não esqueça das proteínas

Com o avanço da idade, é normal que os idosos percam volume muscular. O consumo de proteínas é essencial para minimizar esse problema porque elas atuam na construção e no fortalecimento de massa magra. Além do mais, essas substâncias atuam na produção de anticorpos e no equilíbrio hormonal.

Também ajudam a combater a anemia, que gera cansaço excessivo e pode provocar dores pelo corpo. Os alimentos que mais contêm proteínas são os de origem animal, como carnes, ovos, leite, além de alguns vegetais e grãos — feijão, lentilha e grão-de-bico.

 

5. Cuide da hidratação

Na terceira idade, há uma diminuição do número e da sensibilidade dos receptores corporais que controlam a sede. Por isso, os idosos sentem menos vontade de beber água. 

No entanto, o corpo continua necessitando da ingestão de líquidos para funcionar corretamente. Desse modo, eles ficam mais suscetíveis à desidratação, que pode resultar em confusão mental, fraqueza muscular, tontura, desorientação, pele seca, constipação, infecção urinária, entre outros problemas.

Então, mesmo sem sentir sede, é importante que o idoso beba, no mínimo, 2 litros de água por dia. O ideal é oferecer água em porções menores várias vezes ao dia. Uma boa estratégia é saborizar a água, ou seja, colocar ervas (cidreira ou hortelã) ou rodelas de frutas (laranja, limão, abacaxi, maçã).

Além disso, outros alimentos e bebidas também ajudam na hidratação, como água de coco, chás, leite, gelatina, suco natural, frutas aquosas — laranja, pera, maçã, abacaxi, melancia, melão, entre outras.

 

6. Evite os excessos

Em nenhuma idade é bom exagerar no consumo de alimentos industrializados, ricos em açúcar refinado, sódio e demais aditivos. Entretanto, na terceira idade, esse cuidado deve ser ainda maior. Afinal, como comentamos anteriormente, o metabolismo fica mais lento. Além disso, o organismo dos idosos fica mais propenso a desenvolver problemas como hipertensão, diabetes, disfunções hepáticas e outros.

Porém, sabemos que é difícil eliminar todos os esses alimentos, principalmente em eventos, como aniversários ou outros tipos de comemorações. Então, a regra é não exagerar e sempre preferir as opções mais saudáveis.

 

7. Adapte a alimentação do idoso

Muitas vezes, os idosos apresentam limitações, como dificuldade de mastigação, deglutição e digestibilidade. Nesses casos, é preciso adaptar a consistência dos alimentos. Alguns alimentos podem ser bem cozidos para fazer purê, como batata, mandioca, cenoura e inhame. Sopas e caldos são sempre bem-vindos e uma excelente opção para incluir bastantes vegetais na alimentação do idoso.

Além disso, podem conter pequenos pedaços de carne cozidos. Aliás, carnes e peixes devem ser cortados em fatias bem pequenas. As leguminosas como feijão e lentilha podem ser amassadas para facilitar a deglutição.

 

8. Use suplementos alimentares se necessário

Mesmo com uma alimentação balanceada, é possível que o organismo do idoso não consiga absorver todos os nutrientes necessários para o seu funcionamento. Então, o ideal é ingerir suplementos alimentares, que têm a função de complementar a alimentação, fornecendo as vitaminas e minerais nas quantidades adequadas.

Geralmente, a suplementação é de vitamina A, C, B12, D, bem como de ômega 3 e proteína. No entanto, é importante consultar um profissional da saúde para que ele solicite exames e verifique se realmente é necessário e o que suplementar.

Perceba que a alimentação do idoso requer alguns cuidados para manter sua saúde, prevenir doenças e aumentar sua qualidade de vida. Por esse motivo, siga nossas dicas para ter uma dieta saudável e bem equilibrada. Além disso, não deixe de fazer consultas regulares com seu médico de confiança!

Quer saber mais sobre a saúde na terceira idade? Então, confira quais são as 4 doenças mais comuns entre os idosos!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.